quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Honrar ao Senhor com os bens e as primícias.

"Honra ao Senhor com os teus bens, e com a primícia de todos os teus ganhos;
E se encherão os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares.
(Provérbios 3:9-10)

O que significa honrar a Deus com os bens? E com as primícias?

Quando Salomão escreveu o livro de Provérbios, vigorava a primeira aliança. Deus havia estabelecido que cada israelita trouxesse 10% (dízimo) de tudo o que houvesse adquirido. O propósito pelo qual o Senhor ordenou isso era para que os levitas fossem sustentados, os pobres, as viúvas e os estrangeiros fossem ajudados.

O princípio de honrar a Deus com o dízimo na primeira aliança:

"Certamente darás os dízimos de todo o fruto da tua semente, que cada ano se recolher do campo.
E, perante o Senhor teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao Senhor teu Deus todos os dias."
(Deuteronômio 14:22-23)

"Porém não desampararás o levita que está dentro das tuas portas; pois não tem parte nem herança contigo.
Ao fim de três anos tirarás todos os dízimos da tua colheita no mesmo ano, e os recolherás dentro das tuas portas;
Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra que as tuas mãos fizerem."
(Deuteronômio 14:27-29)

Deus fez um pacto com a nação de Israel. E se eles obedecessem a todas as ordens do Senhor, seriam abençoados. Se eles dizimassem da forma correta conforme estabeleceu o Senhor, horando-O com suas primícias, isto é, utilizando as primeiras partes para fazer aquilo que Deus mandou, então seus celeiros transbordariam, e assim Deus os abençoaria mais e mais.

O parágrafo acima é tão verdadeiro que quando os israelitas passaram a não honrar ao Senhor com suas primícias (dizimar segundo a Lei), os devoradores (animais) começaram a tragar a terra. Malaquias foi escrito nessa época.

"Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas.
Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação.
Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.
E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o Senhor dos Exércitos."
(Malaquias 3:8-11)

Portanto, na primeira aliança, honrar a Deus com os bens e as primícias era dizimar, sendo isso a primeira coisa a ser feita quando conseguissem seus bens.

E para nós hoje? Nós, que vivemos na Nova Aliança, como podemos honrar ao Senhor conforme diz Provérbios 3:9?

Na Igreja, percebe-se claramente que o dízimo não existia. Portanto estamos livres desse mandamento dado ao povo judeu. No entanto, existe uma forma de cumprirmos tal versículo.

Os cristãos, no Novo Testamento, faziam coletas de dinheiro para ajudar os mais pobres. Em Atos vemos que eles repartiam entre si seus bens, de modo que não havia um só necessitado.

A forma que hoje podemos honrar ao Eterno com nossas primeiras partes é ajudar imediatamente os irmãos mais necessitados de roupa, comida, moradia etc. Os cristãos do século I, sob a liderança do apóstolo Paulo, fizeram isso:

"Mas para igualdade; neste tempo presente, a vossa abundância supra a falta dos outros, para que também a sua abundância supra a vossa falta, e haja igualdade;
Como está escrito: O que muito colheu não teve demais; e o que pouco, não teve de menos."
(2 Coríntios 8:14-15)

"Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.
E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra;
Conforme está escrito:Espalhou, deu aos pobres;a sua justiça permanece para sempre."
(2 Coríntios 9:7-9)

"Porque a administração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também é abundante em muitas graças, que se dão a Deus."
(2 Coríntios 9:12)

Havia naquele tempo muitos cristãos pobres, e foram ajudados pelos outros irmãos. É assim que podemos servir a Deus com nossas primícias. Já dizia Cristo:

"Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;
Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.
Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes."
(Mateus 25:34-40)

Creio que tenha ficado claro como cumprirmos Provérbios 3:9. No entanto, há outro ponto, para finalizar, que gostaria de esclarecer. A segunda metade do provérbio diz: "E transbordarão os teus celeiros". Se aqueles judeus dizimassem, seriam fartos, teriam bens em abundância. E nós? Se ajudarmos os pobres, teremos abundância de bens?

Não. A promessa de abundância foi no contexto da Lei, um pacto que Deus fez com Israel. Hoje, se honrarmos a Deus com nossas primícias, Ele apenas garante que, na nossa necessidade, Ele nos suprirá. Não garante que venhamos a ter em abundância, mas que a Sua provisão chegará até nós, conforme ensinou nosso Senhor em Mateus 6:25-31.

Deus abençoe aos irmãos que leram.



quarta-feira, 5 de novembro de 2014

"Não te é lícito possui-la".

Li uma frase esses dias que me chamou a atenção. Dizia: "Hoje em dia virou pecado chamar o pecado de pecado". O autor referia-se à acomodação de muitas igrejas nos dias de hoje.

Em se tratando disso, não há outra pessoa que venha à minha mente senão João Batista. Profeta de Deus, precursor do Messias, viveu numa época na qual o Império Romano dominava Israel. Os imperadores eram tiranos ao extremo. Nesse contexto você pode imaginar que João por medo se acomodou, ficou com medo. Aceitou os padrões ilícitos como "normal". Mas não.

"Porque Herodes tinha prendido João, e tinha-o maniatado e encerrado no cárcere, por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe;
Porque João lhe dissera: Não te é lícito possuí-la."
Mateus 14:3-4
 
João não teve medo e não exitou: disse que não era lícito Herodes possuir sua cunhada, pois aquilo era adultério. Ele reprovou o ato do imperador por amor ao mandamento de Deus: "Não adulterarás" (Ex 20:14). Ou seja, seu lema foi: A Verdade, custe o que custar. E no caso dele, custou a sua vida.

"Festejando-se, porém, o dia natalício de Herodes, dançou a filha de Herodias diante dele, e agradou a Herodes.
Por isso prometeu, com juramento, dar-lhe tudo o que pedisse;
E ela, instruída previamente por sua mãe, disse: Dá-me aqui, num prato, a cabeça de João o Batista.
E o rei afligiu-se, mas, por causa do juramento, e dos que estavam à mesa com ele, ordenou que se lhe desse.
E mandou degolar João no cárcere.
E a sua cabeça foi trazida num prato, e dada à jovem, e ela a levou a sua mãe."
Mateus 14:6-11

Agora, pare para pensar como hoje nos acomodamos tanto. Como hoje não nos esforçamos e proclamamos as verdades de Deus. Um mundo onde cada vez pecados são tratados como coisas normais. Onde reina o relativismo moral: "Isso é errado pra você, não pra mim. Depende do ponto de vista". Ah, relativismo do diabo!

Esforcemo-nos para morrer se for preciso para defender as verdades de Deus, assim como João Batista. Aquele que padece por causa da vontade de Deus é bem-aventurado (1 Pe 3:17).

Não nos acomodemos. Acordemos. Não importa o que o mundo diga, pois o próprio Jesus disse: "Ai de vós, quando falarem bem de vós" (Luc 6:26)

E para encerrar:

"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus."
Romanos 12:2

Deus nos abençoe e nos dê a capacidade de defendermos com unhas e dentes as suas verdades.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A falta de percepção da guerra.

Um soldado é alguém que entra em um grupo com outros soldados para irem à guerra. Eles juntamente têm algo em comum: vencer a batalha. Para isso armam-se corretamente com as armas de ataque e defesa. Acima de tudo, seguem as ordens do capitão.

A vida cristã é uma guerra. Uma guerra difícil, árdua e séria. Sim, eu sei que você já ouviu falar nisso. Mas o problema é que você e eu costumamos nos esquecer dessa verdade, por isso muitas vezes nos acomodamos. E isso faz com que percamos determinadas batalhas.

Quem compara a vida cristã com a guerra é o apóstolo Paulo. Ele afirma que todos nós, os cristãos, temos uma luta, uma guerra. Nosso capitão é Jesus Cristo. E combatemo-la juntos. A nossa luta é de caráter espiritual.

"Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.
Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.
Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.
Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça;
E calçados os pés na preparação do evangelho da paz;
Tomando sobretudo o escudo da fé,
com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.
Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;
Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos,
E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho,
Pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar."
Efésios 6:11-20

Eu sei que você conhece Efésios 6, mas você precisa se lembrar desse capítulo mais e mais vezes, assim como eu também preciso. Nossa luta é espiritual e começa na nossa mente. Também lutamos contra coisas espirituais que não conhecemos e nem precisamos conhecer.

Falar a verdade, vestir-se da justiça, pregar o evangelho, ter a fé como escudo, manejar a Palavra de Deus (Bíblia) como espada, persistir e orar sem cessar. Essas são as nossas armas de batalha. Devemos nos esforçar para usá-las a todo o tempo.

O apóstolo Paulo levava a vida cristã como uma batalha. Por isso disse:

"Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas;
Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo;"
2 Coríntios 10:4-5

É na transmissão da Palavra de Deus, tanto aos incrédulos (Evangelho) quanto aos cristãos (Doutrina) que destruímos toda a altivez, tudo o que se levanta contra Deus.

Continuando, o apóstolo Paulo relembra a Timóteo sobre encarar a vida cristã como uma batalha.

"Tu pois, sofre as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.
Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra."
2 Timóteo 2:3-4

"Milita a boa milícia da fé, toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas."
1 Timóteo 6:12-13

E próximo da morte, declarou:

"Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé."
2 Timóteo 4:7

Será que temos a consciência forte igual a de Paulo no fato de encarar a vida cristã como um combate? Lembre-se que ele mesmo disse:

"Sede meus imitadores, como também eu de Cristo.
1 Coríntios 11:1

Portanto, a partir de hoje lembre-se sempre (também faço esta admoestação a mim) que somos soldados de Jesus Cristo, no campo de batalha, e que temos todas as armas disponíveis: A Palavra (Bíblia), a verdade, a justiça, o evangelho dirigido ao homem natural, a oração sem cessar.

Devemos lutar contra tudo o que é antagônico a Deus, a começar pelo pecado que habita em nossa carne, contra os nossos pensamento e olhos (onde tudo começa), contra tudo o que detém a Verdade de Deus.

Deus abençoe a todos os soldados do Senhor.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

"Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica".

Se você frequenta uma denominação pentecostal, tenho quase certeza que já ouviu a frase do título desta postagem. Há vários irmãos os quais não consideram o estudo bíblico importante; outros até consideram errado. E dizem que a letra da Bíblia - bem como sua interpretação - são "reveladas" e não entendemos através de uma leitura contextualizada.

Se você frequenta a CCB (denominação a qual frequento) com certeza já ouviu isso. Mas gostaria de te lembrar do primeiro ponto de doutrina, o qual fala da Bíblia Sagrada.

"Nós cremos na inteira Bíblia e aceitamo-La como contendendo a infalível Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo. A Palavra de Deus é a única e perfeita guia da nossa fé e conduta,a Ela nada se pode acrescentar ou d'Ela diminuir. É, também, o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. (II Pedro 1:21; II Timóteo 3:16-17; Romanos 1:16)"
Esta frase "a letra mata, mas o Espírito vivifica" não constitui nem um versículo, mas parte de um. E as pessoas interpretam rapidamente sem entender o seu contexto. Nem leem os versículos iniciais do capítulo (pois é assim que entendemos).

Pois bem, vamos lá. Para entendermos o que essa frase significa, precisamos entender coisas elementares da Palavra de Deus.

Vou tentar fazer um resumão. Deus criou o ser humano reto. Porém ele pecou contra Deus e se rebelou. Por causa de Adão todos viraram pecadores, e isso foi para toda a raça humana (Romanos 5:12).

Deus porém para demonstrar a sua Justiça deu ao ser humano a Lei. Esta consiste em mandamentos justos que o ser humano jamais consegue cumprir em sua plenitude. Deus a escreveu em duas tábuas e entregou a Moisés. Você vê isso ao ler Êxodo 19 e 20. A Lei são 10 mandamentos santos, justos e perfeitos.

Nós entendemos que o homem nasceu no pecado e é escravo do pecado, por isso não consegue ser perfeito em cumprimento à Santa Lei de Deus. Logo, a Lei apenas acaba condenando o ser humano e não o salva. Ela traz o conhecimento do pecado.

"Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás."
Romanos 7:7

E como vimos, Deus deu a Lei no Antigo Testamento, escrita em tábuas para Moisés. Ao entender isso, você entenderá que a letra que mata se refere à Lei, e o Espírito que vivifica é uma referência à Graça na Nova Aliança.

Vamos analisar desde o inicio do capítulo para entendermos. Preste atenção nas partes que pintarei de azul.

"Porventura começamos outra vez a louvar-nos a nós mesmos? Ou necessitamos, como alguns, de cartas de recomendação para vós, ou de recomendação de vós?
Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.
Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.
E é por Cristo que temos tal confiança em Deus;
Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,
¶ O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica."
2 Coríntios 3:1-6

Compreenderam? O apóstolo Paulo faz uma comparação entre a antiga aliança e a nova. Na antiga Deus escreveu (a letra) em tábuas, e esta letra mata, porque o homem nunca consegue cumpri-la. Mas na nova aliança, não temos mais a letra que mata (Lei) como justificação, mas a Graça, pela qual somos salvos.

Por essa razão ele diz que somos ministros de um novo testamento (Graça, justificação pela fé), não da letra (Lei), mas do Espírito (referindo-se à nova aliança), porque a letra mata (a Lei não salva, apenas diz o que é justo, que o homem nunca consegue cumprir totalmente), mas o Espírito vivifica (No novo testamento temos o Espírito fixado em nossos corações por já sermos justificados).

E para entender de vez que Paulo se referia à Lei quando falava da "letra que mata", leiamos os versículos seguintes do mesmo capítulo:

"O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.
E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória,
Como não será de maior glória o ministério do Espírito?
Porque, se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça."
2 Coríntios 3:6-9

Portanto, dizer que "A letra mata mas o Espírito vivifica" no intuito de reprovar o estudo bíblico alegando que tudo é "revelação" está totalmente errado. Podemos concluir que a letra que mata é a Lei escrita em tábuas (Os dez mandamentos), porque ela é justa e o homem é pecador. Que o Espírito que vivifica é uma referência à nova aliança, à Graça e ao Espírito que é fixado em nossos corações pela Fé e não a supostas revelações.

Sola Scriptura a todos. Deus abençoe aos queridos leitores.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Salvação, galardão, juízo final, tribunal de Cristo e o cristão.

Há vários cristãos os quais pensam que comparecerão ao Juízo Final para ser julgado por Deus. E pensam que a salvação é por obras, boa conduta e mérito - portanto creem que poderão ser salvos ou não nesse suposto encontro com o Senhor, dependendo de suas boas obras.

Entretanto, não é isso que nos ensina a Escritura. Quem comparecerá a este Julgamento serão os ímpios perdidos e não os filhos de Deus. E todos aqueles que forem para lá serão condenados. Não haverá salvação. O Juízo Final é uma espécie de "prestação de contas" que Deus dará aos perdidos, explicando-lhes a razão da condenação mediante os livros abertos de tudo o que fizeram, falaram, pensaram e desejaram. Vejam com detalhe:

"E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles.
E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.
E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.
E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.
E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo."
Apocalipse 20:11-15

Ninguém sairá salvo desse evento. E por que o cristão não participa? Porque ele é salvo pela Graça mediante a fé e Misericórdia de Deus (Ef 2:8-9; Tito 3:5-6). Portanto os filhos de Deus aqui podem se sentir eternamente salvos, como disse Jesus:

"Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida."
João 5:24

O cristão, como vimos, não participará do Grande Juízo. Ele é salvo. Mas ele participará de outro evento, para prestar contas a Deus de seu trabalho cristão e suas obras. Tal lugar se chama "Tribunal de Cristo", onde comparecerão apenas os salvos. E nesse tribunal não seremos julgados para adquirir ou não a salvação (pois só comparecerá quem é salvo), mas para alcançar ou não galardão.

É essencial entendermos a diferença entre Salvação e Galardão.

- Salvação: consiste em passar da morte eterna para a vida eterna unicamente pela Fé em Jesus. (Jo 5:24; Ef 2:8-9)

- Galardão: são prêmios/recompensas pelo trabalho cristão e pelas suas obras. Haverá cristãos que os receberão, outros porém não. Na Bíblia os galardões são chamados muitas vezes de "coroa": coroa de glória, coroa de incorrupção, coroa da vida.

Eis a passagem que nos fala disso:

"A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um.
Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão.
Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo."
1 Coríntios 3:13-15

Ou seja, nossas obras serão provadas no fogo no Tribunal de Cristo. Se elas não se queimarem (forem muito boas), receberemos os prêmios. Se se queimarem (obras ruins), não receberemos os prêmios, mas mesmo assim seremos salvos, pois a Salvação não se alcança pelas obras, visto que é impossível.

Não conseguimos agora entender como será um cristão com prêmios (galardões) e outros não. Porém é uma realidade atestada na Bíblia.

Portanto, concluímos:

- Juízo Final será somente para os perdidos. Ninguém que for se salvará. Serão julgados mediante tudo o que fizeram, pensarem e desejaram.

- Tribunal de Cristo será somente para os cristãos, não julgamento para salvação, mas para galardão. O que crê em Cristo já está salvo (Jo 3:18).

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Deve-se orar apenas de joelho?

Há cristãos os quais pensam que devemos orar unicamente de joelhos. Para eles, é uma ordenança de Deus, e só há exceção se a pessoa não tiver condição física de fazê-lo. Ou seja, se há a condição física, Deus quer que oremos assim. Também muitos dizem que só devemos orar de olhos fechados. Na CCB - grupo que frequento, é assim.

Mas o que nos ensina a Bíblia Sagrada, nossa única regra de fé e conduta (Vide 1° ponto de doutrina da CCB)?

Ao analisarmos as Escrituras, vemos servos de Deus orando de joelhos e em pé, de olhos abertos e fechados.

Ana no templo orou em pé ao Senhor:

"Então Ana se levantou, depois que comeram e beberam em Siló; e Eli, sacerdote, estava assentado numa cadeira, junto a um pilar do templo do Senhor.
Ela, pois, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente."
1 Samuel 1:9-10

Salomão orou em pé abençoando o povo de Deus após a construção do templo:

"E pôs-se em pé, e abençoou a toda a congregação de Israel em alta voz, dizendo:
Bendito seja o Senhor, que deu repouso ao seu povo Israel, segundo tudo o que disse; nem uma só palavra caiu de todas as suas boas palavras que falou pelo ministério de Moisés, seu servo.
O Senhor nosso Deus seja conosco, como foi com nossos pais; não nos desampare, e não nos deixe.
Inclinando a si o nosso coração, para andar em todos os seus caminhos, e para guardar os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos que ordenou a nossos pais.
E que estas minhas palavras, com que supliquei perante o Senhor, estejam perto, diante do Senhor nosso Deus, de dia e de noite, para que execute o juízo do seu servo e o juízo do seu povo Israel, a cada qual no seu dia."
1 Reis 8:55-59

O rei Jeosafá orou em pé na casa do Senhor:

"E pôs-se Jeosafá em pé na congregação de Judá e de Jerusalém, na casa do Senhor, diante do pátio novo.
E disse: Ah! Senhor Deus de nossos pais, porventura não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos das nações? Na tua mão há força e potência, e não há quem te possa resistir.
Porventura, ó nosso Deus, não lançaste fora os moradores desta terra de diante do teu povo Israel, e não a deste para sempre à descendência de Abraão, teu amigo?
2 Crônicas 20:5-7

O próprio Cristo orou, pelo que tudo indica, em pé e estava olhando para o céu e não de olhos fechados:

"¶ Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;"
João 17:1

Cristo conta uma parábola sobre oração de um fariseu e um publicano. Ambos oraram em pé no templo:

"Dois homens subiram ao templo, para orar; um, fariseu, e o outro, publicano.
O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano.
Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo.
O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!
Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado."
Lucas 18:10-14

Ambos oraram em pé, mas Deus ouviu apenas a oração do publicano, porque ele se humilhava, ao contrário do fariseu, que orava se exaltando.

A crença de que não convém orar em pé se dá da interpretação errônea de dois versículos:

"E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.
Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente."
Mateus 6:5-6

Jesus nesta passagem reprova o ato de orar para ser visto pelos homens, como os fariseus faziam em pé nas esquinas, e não o simples ato de orar em pé, como vimos na parábola do publicano e do fariseu.

Outra passagem que usam para dizer que só se deve orar de joelhos:

"Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai."
Filipenses 2:10-11

A passagem acima refere-se ao futuro, na vinda de Cristo, quando TODOS - crentes e incrédulos - hão de se prostrar perante Ele. Não se refere a nossa oração diária.

Como vimos, Deus não está "se ligando" na posição física. Pois afinal, Deus atenta é para o coração de quem ora:

"porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração."
1 Samuel 16:7

Obviamente, ficar de joelhos é uma postura que indica submissão, e é a posição mais usada. Eu diria que até a mais indicada. Mas Deus não se limita a isso.

Deus não atende às nossas orações apenas em duas situações:

1- Quando literalmente estamos vivendo em pecado.

"Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça."
Isaías 59:2

Detalhe: Se nessas situações houver oração de arrependimento dos pecados, Deus atende (Salmos 32; 51).

2- Quando um casal cristão está em pé de guerra.

"Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações."
1 Pedro 3:7

Portanto, embora a posição de joelhos seja a mais utilizada e talvez até a mais indicada, Deus também ouve orações de quem as faz em pé, pois Ele de fato olha para o coração, pois uma pessoa pode estar de joelhos mas o coração não se curvar. E quanto aos olhos, encontramos pessoas de Deus na Bíblia orando de olhos abertos, inclusive olhando para o céu. Obviamente, se estivermos em um lugar fechado e com bastantes pessoas, e um só orar, é melhor fecharmos os olhos para melhor concentração. Mas lembrando que Deus não se limita a isso.

domingo, 19 de outubro de 2014

Vem me socorrer.

Graça, paz e misericórdia a todos vocês. Escrevo esta postagem domingo pela manhã. Comecei a ouvir uma música cristã, que me tocou e sempre me toca. Hoje decidi escrever sobre o que ela diz. O nome da música é "Vem me socorrer", da grupo Palavraantiga.

A primeira parte da música diz:

Não tenho um tom
Não tenho palavras
Não tenho acorde que
Me socorra agora
Tudo foi embora
Só tenho você

É verdade. Todos temos esses momentos, não é verdade? Nada consegue nos socorrer. Tudo simplesmente vai embora. Não resta nada. Não tem música, não tem amigo, não tem marido, mulher, nada que possa nos socorrer. Tudo dá errado. Tudo. Só nos resta uma saída: Deus. E depois de tudo percebemos que Ele não era apenas a última que procurávamos, mas a única. O Deus do socorro, da providência.

A segunda parte diz:

Havia um silêncio
Que mostrou os meus vícios
Me agarro contigo
Vem me socorra agora
Tudo foi embora
Só tenho você amor
Agora

Na primeira parte ele fala dos momentos em que nada nos socorre senão Deus. Agora ele fala do silêncio que mostra nossos vícios. Isso ocorre por causa de nossos pecados. Como nascidos de Deus nos sentimentos sufocados no pecado. Ficamos em silêncio, tristes, lamentando, chorando. Mas o bom é que não para aí. Ele se agarra com Deus e pede seu socorro. Assim devemos nós fazer: quando estivermos na ruína do pecado, nos agarrar a Deus, porque "as suas misericórdias não têm fim"(Lm 3:22), e porque Ele nos chama: "Apago as tuas transgressões como a névoa, e os teus pecados como a nuvem; torna-te para mim, porque eu te remi".(Is 44:22). 

Deus tem misericórdia e Graça sobrando para conceder a seus filhos.

A última parte da música diz:


Eu canto pra Ti
Sei onde estou
Olhando pra mim posso saber
Que nada sou
Eu grito pra Ti oh, Deus
Vem me socorrer
Olhando pra mim posso saber
Que nada posso fazer
Ele diz que sabe onde está. Assim, nós precisamos ter essa consciência: estamos num mundo corrompido pelo pecado, e em uma situação na qual há muitas coisas que não podemos mudar. Depois ele diz que olha para si e se vê um nada. Da mesma forma, precisamos entender que só Deus pode mudar situações difíceis, assim como só Ele pode nos conceder misericórdia e graça, porque não somos nada.
Por fim, ele diz que olha pra si e nada pode fazer. Foi isso o que Jesus nos ensinou: não podemos acrescentar um metro à nossa altura (Mt 6:27), e Salomão diz que nem podemos acrescentar um dia à nossa vida, pois ninguém tem poder sobre o dia de sua morte (Ec 8:8). Portanto, tudo está nas mãos do Deus eterno.
O que aprendemos sobre o socorro presente de Deus já foi visto e aprendido há muitos anos por Davi, expressado no Salmo 121. Para terminar esta postagem, transcrevo-o aqui.
"Levantarei os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro?
O meu socorro vem do Senhor que fez o céu e a terra.
Não deixará vacilar o teu pé; aquele que te guarda não tosquenejará.
Eis que não tosquenejará nem dormirá o guarda de Israel.
O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua direita.
O sol não te molestará de dia nem a lua de noite.
O Senhor te guardará de todo o mal; guardará a tua alma.
O Senhor guardará a tua entrada e a tua saída, desde agora e para sempre"
Salmos 121:1-8