sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

"Saíram de nós, mas não eram dos nossos".

"Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos." (1 João 2:19)

O apóstolo João - discípulo a quem Jesus amava - viu a imensa necessidade de escrever uma epístola a certos cristãos de sua época. E o principal motivo foi alertá-los quanto à apostasia que se manifestava àquela época. Isso porque havia pessoas anunciando horrores quanto ao Filho de Deus.

João inicia sua carta exaltando a Jesus (1 João 1:1-4); depois fala de uma vida sendo vivida na luz e  não nas trevas (vs 5-7); afirma que todos temos pecados e nos estimula à confissão (vs 8-10). Inicia o capítulo 2 afirmando que, se porventura pecarmos, temos um Advogado (2:1-2); instrui-nos a guardar os mandamentos de Jesus (vs 3-17).

Todavia, agora João entra na questão da apostasia, seríssima por sinal. Olha o que ele diz:

"Filhinhos, já é a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também, agora, muitos anticristos têm surgido; pelo que conhecemos que é a última hora.
 Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos.
 E vós possuís unção que vem do Santo e todos tendes conhecimento.
 Não vos escrevi porque não saibais a verdade; antes, porque a sabeis, e porque mentira alguma jamais procede da verdade.
 Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho." (1 João 2:18-22)

Havia à época do apóstolo alguns ditos "cristãos" que deram ouvidos às teses do anticristo. Eles simplesmente passaram a não crer mais em Jesus como Filho de Deus. Simplesmente ignoraram o Salvador, não professando mais crença Nele. E o evangelho nos diz que: "Quem crê Nele não é condenado, mas quem não crê já está condenado." (João 3:18)

As Escrituras são entendidas pelo seu contexto. No capítulo 4 o autor já volta a falar sobre o mesmo tema:

"Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.
 Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;
 e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presentemente, já está no mundo." (1 João 4:1-3)

E, como João alerta instantemente aos seus irmãos leitores sobre esse perigo de pecado, ele diz no capítulo 5:

" Se alguém vir a seu irmão cometer pecado não para morte, pedirá, e Deus lhe dará vida, aos que não pecam para morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que rogue." (1 João 5:16)

Pelo contexto de sua epístola, o que ele mais alerta é o perigo da incredulidade. Então esse, provavelmente, era o "pecado para morte" ao qual o mesmo se referiu.

Fica-nos o exemplo para vigiar e perseverar na nossa crença no Filho de Deus, o único Salvador nosso.

E para finalizar este post, gostaria de falar algo sobre mudança denominacional. Uma vez vi um ancião na igreja que frequento dizer que esse versículo "saíram de nós, mas não eram dos nossos" se refere a pessoas que saem de nossa denominação, e também a uma dissidência que foi formada, chamada "Congregação Cristã Ministério de Jandira".

Ele disse assim: "Irmãos, tomem cuidado com esse ministério de Jandira, pois o apóstolo João já alertou na sua epístola isso, que eles saíram de nós mas não eram dos nossos". Bem, ele errou. Uma pessoa mudar de denominação, ou ir a uma dissidência, não tem nada a ver com o que João disse. Mas sim a apostasia da fé em Cristo.

Portanto, no primeiro século a Igreja já enfrentava problemas com o anticristo. Muitos se afastaram do Evangelho - de Jesus Cristo - e se foram aos que O negavam. O apóstolo a quem Jesus amava escreveu essa epístola com essa principal finalidade, para alertar aos irmãos o perigo da incredulidade e da apostasia. E, como vimos, nada tem a ver com a simples mudança de denominação, mas sim de abandonar a fé no Senhor e Salvador Jesus.

Paz a todos os irmãos.

2 comentários:

  1. Excelente artigo meu rei,

    Que Deus continue iluminando a sua mente para produzir artigos como este!

    Um grande abraço, com a paz de Deus!

    PS.: Tomei a liberdade de copiar seus posts lá no Teologando; estou aprendendo muito com os seus artigos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, meu grande. É uma honra a tua presença aqui no blog. Aquilo que o edificar, pode compartilhar à vontade. E fico feliz pela sua volta às redes. Forte abraço, na paz de Deus!

      Excluir